Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



sábado, 27 de maio de 2017


Não há mais céus que abaixam e elevam-me, muito menos alguma coisa a mais, um olhar, uma passada, algum calor desobediente.

Há somente a estrada a seguir. Pede-se elegância e abstração. O resto todo é morte.

Poderia ser ruim, se fosse em um mundo barulhento e populoso... poderia ser, mas não é.

O sossego é meu irmão, meu pai e companheiro. Sou só, mas completa. Sou rica. Possuo vários mundos em um só e por eles caminho.

Ninguém poderá dizer que não falei sobre águas e amor.

Ninguém poderá dizer que eu nunca tentei.


Suzana Guimarães